O Caminho para Dirigente do CNE

A minha história começou em 2009 quando contactei com a realidade do agrupamento, devido à falta de dirigentes resolvi ajudar dentro das minhas possibilidades, e cada dia que passava mais me envolvia e mais gostava de estar com os jovens.

A Chefe de Agrupamento propôs-me fazer o CI, desafio que aceitei.

Pelo gosto de aprender fui fazer a segunda fase da formação - o CIP -, e aprofundei os conhecimentos sobre Escutismo.

Durante estava fase estive na II secção, tendo como meu tutor o Mocho.

Foi difícil, conseguir fazer o CIP, trabalhar na Secção e toda a minha vida pessoal para além do Escutismo, mas quando é algo que gostamos e queremos, esse objectivo é alcançado e dá-nos muito prazer.

Gaivota, foi o totem que escolhi, é o animal com o qual mais me identifico, pela sua liberdade.

Este ano faço parte da equipa de animação da Iª secção.

Estou a adorar trabalhar com estes jovens, sinto neles a alegria que têm em todas as actividades, ficam contentes e satisfeitos com pequenas coisas.

O meu totem do imaginário da I.ª secção foi escolhido pelos Lobitos, e agora sou a Baguera.

Ser Dirigente/Educador do CNE é o primeiro passo para a realização do meu sonho – trabalhar directamente com crianças.

Quero fazer parte da grande família do C.N.E, que muito tem feito pelos jovens e pelo mundo.

Domingo, farei a minha promessa de Dirigente/Educador do CNE, estou muito ansiosa e nervosa, espero estar à altura deste compromisso muito importante que vou tomar.

Espero poder ajudar todos os que de mim precisarem.

Ser Dirigente/Educador do CNE é uma forma de voluntariado, aquilo que sempre gostei de fazer.

A todos os que me ajudaram a conseguir atingir este objectivo, o meu muito obrigado.

Baguera